Escolha uma Página

Ser Trader: Entendendo o Instinto

Quem nunca fez uma operação, sem saber o motivo, aquela operação que você agiu por puro instinto, ou popularmente chamado de feeling. Já tentou entender melhor como funciona esse feeling?!

Agindo por instinto

Muita das vezes, nas diversas situações da nossa vida, já ocorreu algum momento onde nós tomamos uma decisão ou agimos, sem saber o por quê. Simplesmente fomos lá e fizemos algo.

Dependendo do resultado final, nos arrependemos muito ou ficamos muito felizes. Mas o bicho pega quando alguém pergunta: Por quê você fez isso?! e a resposta é um NÃO SEI grandão.

Geralmente não sabemos por que fazemos algo, só reagimos e colhemos o resultado dessa decisão, porém, é impossível termos agido sem pensar, pois mesmo inconscientemente aquilo passou pela nossa mente.

Somos bombardeados por informações o tempo todo, e nosso cérebro processa milhares de informações por segundo, e querendo ou não, armazenamos informações úteis e inúteis.

Essas informações armazenadas na nossa mente, entra no meio do processamento inconsciente o que gera um “erro de cálculo”. Podemos dizer que essa informação “buga” nossa mente, e agimos antes de pensar. Igual quando o mercado pula nossa ordem e executa com spread.

Tipos de instinto

Agir por instinto, não é de tudo ruim. É necessário que haja um gerenciamento psicológico muito bom (como mencionado no último post) para que você saiba se está agindo por emoção ou não.

Basicamente, podemos separar em Instinto Emocional e Instinto Racional.

Instinto Emocional

É quando sua decisão involuntária está baseada (ancorada) em alguma emoção, seja ela boa ou ruim. É a decisão do tipo “não sei explicar, apenas senti”.

Um exemplo prático é quando sofremos alguma injúria e reagimos sem pensar, ofendendo ou atacando de volta. Acontece muito no mercado, quando tomamos um loss e queremos nos vingar do mercado sem motivo.

No geral, o Instinto Emocional não dá muito certo, pois não temos razões específicas para acreditar na ação que tomamos e não encontramos justificativas para elas. Esse instinto pode quebrar sua conta em pouco tempo…

Instinto Racional

Esse é o instinto que nós desenvolvemos com o tempo e com a experiência. Ele estará baseado em algum dado racional que, por mais que você não perceba, está na sua mente.

Exemplificando, é quando você entra numa operação, sem saber o por quê no momento, e logo em seguida, consegue justificar sua operação, sem usar o “emocional” para explicar.

Esse instinto é muito comum em atletas de alta performance, em pessoas que possuem grande experiência em determinado assunto. É o instinto que o enxadrista tem de prever os próximos movimentos do seu oponente.

O Estado de Fluxo

Já comentei em um post anterior sobre esse estado em que nossa mente consegue entrar.

É um estado mental onde nós simplesmente agimos, sem parar para pensar muito, onde as coisas fluem de forma automática. Não se engane, não é algo emocional, e sim puramente racional.

Nesse estado, nós estamos tão focados no que estamos fazendo, que todo o processamento das informações ocorrem em segundo plano, totalmente baseados em nossas informações e experiências técnicas, que nós simplesmente agimos.

Seria o estado de “Instinto superior”, onde é possível “prever” o movimento seguinte, pelo simples fato de estar conectado de tal forma, que você se torna um com a atividade.

Se quiser ter uma noção maior, peço que procure algum vídeo de pilotos de fórmula 1. Vai perceber que, quando eles estão correndo, a quase 300 KM/H, eles não podem se dar ao luxo de pensar. A passagem entre marchas, entrada nas curvas, o momento de acelerar e frear, são feitos de forma automática.

Para nós traders, esse estado pode ser resumido em olhar o gráfico (ou fluxo) e agir, independente dos outros players, de notícias, ou do que está ocorrendo ao nosso redor, pois nossa mente já esta processando isso tudo de forma automática. Nesse estado, conseguimos ver e fazer operações que normalmente não conseguiríamos enxergar ou fazer.

Tá, esse papo estranho aí me chamou a atenção… É possível que eu entre nesse “estado” quando quiser?

SIM! Mas para isso, é necessário, treino, mais treino, um pouco mais de treino, e no final de tudo, treino em dobro.

Não pense que é uma transformação em super traderjin que vai fazer você chegar nesse nível. Ou seja, quer entender o que o mercado está fazendo? Pode começar a dedicar algumas horas a mais para seus estudos, à prática e a execução.

A disciplina aqui é imprescindível!

 –

Quer saber mais sobre desenvolvimento pessoal e alta performance? Se inscreva no canal Patrícia Pedrozo Coach e não se esqueça de curtir nossa página no Facebook Mente de Trader

Para quem tem curtido nossas publicações, convido vocês a conhecerem um blog irreverente e descontraído de um cara Top! Acessem lá: Blog do Magrelow Trader

Ainda não leu os outros posts?! Então Clica aí:

Lidando com o sofrimento

Por que hesitamos?!

Aprendendo a usar o Stop

Riscos e Retorno

Que tipo de trader eu sou?!

 

Ser trader: Funcionamento da nossa mente

Hey você! Sim, você mesmo que esta lendo nesse momento este post! Já parou para pensar nos processos que estão ocorrendo para o funcionamento da nossa mente, de forma automática e instantânea, fazendo com que você os símbolos na tela a palavras, que compõem frases  que, estão organizadas de forma que você entenda? Nesses últimos segundos você acessou milhares de janelas de memória enquanto lia esse parágrafo… Compliquei? Então vamos simplificar…

Entendendo o processo de pensar…

Por que eu quero fazer essa operação?

Eu parto do principio que, para resolver um problema, é necessário entender o funcionamento das coisas e saber como as peças se encaixam, para aí sim, agirmos e resolvermos as coisas.

Portanto, é de máxima importância sabermos e entendermos os nossos processos de pensamentos e tomada de decisão, por que no que fazemos, uma decisão errada significa perda de dinheiro…

Nossa mente é uma maquina extremamente complexa. Nossas memórias não ocupam um lugar físico, não ficam registradas em “lugar” nenhum, mas ainda assim, estão lá, de alguma forma.

Quando temos que tomar alguma decisão, ou nos deparamos com alguma situação, nossa mente recorre ao histórico que está armazenado na nossa “nuvem”, e faz uma correlação entre o que está registrado e o que está acontecendo no momento. Esse processo é praticamente instantâneo.

Se estamos diante de uma situação em que nosso histórico é positivo, nossa reação será positiva, pois queremos repetir os sentimentos prazerosos. Caso contrário, evitaremos essa situação, e se formos “obrigados”, nos causará os sentimentos de estresse e ansiedade, por exemplo.

Simplificando, temos: Situação> Acesso ao nosso histórico> Ação

Uma coisa chamada de Autofluxo

Imagem relacionada

Sinapses neurais que ocorrem durante o Autofluxo

O Autofluxo é um processo mental involuntário e automático que esta intrínseco a nós, desde quando estamos no ventre das nossas mães.

É ele que permite com que você esteja lendo esse maravilhoso blog, sem precisar “pensar” nas palavras, em sua organização… simplesmente você lê.

Ele é o responsável por acessar o nosso histórico e nos trazer as informações necessárias para tomarmos nossas decisões.

Porém, caso você não tenha gestão dos seus pensamentos (controle emocional), ele pode te levar a pensamentos ruins, que irão te aprisionar, te congelar e literalmente, travar sua mente.

Se adicionarmos o autofluxo ao nosso processo, teremos: Situação> Autofluxo> Acesso ao nosso histórico> Ação

Janelas de memória

Imagem relacionada

Sempre que tomamos uma decisão e agimos, criamos uma memória, positiva ou negativa, que irá fica armazenada na nossa mente por tempo indeterminado.

Essas janelas, dependendo da carga emocional e intensidade, podem causar traumas, que se desenvolverão em possíveis doenças mentais como depressão, estresse, ansiedade entre outras

Nós somos seres que relacionamos as coisas. Desde os primórdios dos tempos, pois se fazia necessário. Aprendíamos com as coisas ao nosso redor e com a experiência. Isso fez com que nosso cérebro evoluísse mais rápido.

Criamos essas janelas por vários motivos diferentes, desde nossas experiências individuais ao nosso convívio social (até pela internet). Trazendo para nosso mundo, quando fazemos uma operação, completamente baseada em nossa técnica e estudos, e nos sentimos bem com isso, tenderemos a repeti-la. Quando fazemos algo fora do comum e temos um prejuízo, tenderemos a não repetir aquele feito (levando em consideração que você não esteja se autossabotando).

Com isso temos dois tipos de Janela de memória: As Janelas Light, que representam as memorias e sentimentos bons, e as Janelas Killer, que representam as memórias e sentimentos ruins.

Nosso processo fica: Situação> Autofluxo> Acesso ao nosso histórico> Abertura de Janelas de memória> Ação

Gerenciando a p#$%@ toda…

Funcionamento da mente

Um EU fraco gerenciando seus pensamentos

Pois bem, depois de termos visto todas essas informações, precisamos de alguém para gerenciar essas informações certo? Para isso serve o EU.

Entenda o eu como seu controle emocional, o lado racional por trás das ações.

É ele que vai gerenciar todas as informações e ações a serem tomadas. TUDO passa por ele. Esse é o cara que dá a autorização para agir.

Mas temos um problema grave. Muita gente possui um EU muito fraco, que é incapaz de assumir o controle e acabam fazendo besteira, agindo por impulso, por pura emoção… Se deixam levar pelo sentimento deixado pela janela da memória aberta.

Se não houver um EU forte, comandando e mantendo tudo em ordem, você não terá controle de nada e se tornará um refém de você mesmo e de seus pensamentos mais destrutivos… (por isso é importante ter o controle emocional bem treinado)

 

Fácil falar, extremamente difícil pôr em prática. Aconselho fortemente, para iniciar esse treino, a pratica e meditação e a observação dos seus comportamentos diante das mais diversas situações.

Com um EU bem treinado, é possível interromper os encarceramentos que as janelas Killer podem fazer, interrompendo o fluxo de pensamentos negativos e voltando ao equilíbrio. É possível, também, saber exatamente quando esta se tornando menos racional e mais emocional.

Finalizando nosso processo de pensamento, temos então:

Situação> Autofluxo> Acesso ao nosso histórico> Abertura de Janelas de memória> Gerenciamento do EU> Ação

Não vou me aprofundar muito mais, por que não haveria blog o suficiente para isso rs. Para quem se interessou sobre esse assunto mais “Técnico” de psicologia, recomendo a leitura do livro O Funcionamento da Mente, do Augusto Cury.

Toda essa parte teórica foi retirada da tese dele, então, recomendo fortemente a leitura, para que você entenda melhor como você pensa e como funciona seu processo de tomada de decisão, nas mais diversas áreas.

E aí, curtiu o post? Deixa ai nos comentários o que achou!

Quer saber mais sobre desenvolvimento pessoal e alta performance? Se inscreva no canal Patrícia Pedrozo Coach e não se esqueça de curtir nossa página no Facebook Mente de Trader

Para quem tem curtido nossas publicações, convido vocês a conhecerem um blog irreverente e descontraído de um cara Top! Acessem lá: Blog do Magrelow Trader

Ainda não leu os outros posts?! Então Clica aí:

Lidando com o sofrimento

Por que hesitamos?!

Aprendendo a usar o Stop

Riscos e Retorno

Que tipo de trader eu sou?!

Importância das Metas

Importância das Metas pt2

Ser Trader: Lidando com o sofrimento

Definitivamente, se tornar um trader não é para qualquer um. Muitos desistem no meio do caminho, por não aguentar a pressão nem as porradas que o mercado nos dá, mas será que é possível lidar com esse sofrimento todo?

Mas será que todo o sofrimento/dificuldade é ruim?

Como falei no post anterior, sobre HESITAÇÃO, ninguém gosta de sofrer, sentir dor (seja ela de qual tipo for), ou passar por alguma situação de dificuldade, o que é óbvio (com exceção dos sadomasoquistas rs).

Porém, na minha humilde opinião, em muitos dos casos temos que passar por essas fases ruins para evoluirmos.

Não adianta pensarmos que a vida, de uma forma geral, é um arco-iris com unicórnios o tempo todo. Todos temos altos e baixos, por que isso que nos move, de certa forma.

É praticamente impossível você permanecer em um mesmo estado emocional. Um conceito budista importante é que tudo é mutável, nada é fixo e permanente.

As dificuldades sempre vão aparecer, não importa o que você faça. Logo, você deve aprender com as dificuldades, aprender com o sofrimento… O máximo que pode fazer é torcer para que os problemas sejam os menores possíveis.

Encare os sofrimento, como um rito de passagem, ou um filtro, onde quem consegue superar e aprender com ele, consegue chegar do outro lado mais forte.

Resultado de imagem para budismo frases mudancas

Mas sofrer é necessário?

Vou exemplificar da melhor maneira possível: Se uma pessoa quer perder peso e entrar em forma, ela vai precisar “sofrer” com a dieta e com os exercícios na academia. Vai deixar de comer os doces que mais gosta, vai suar, vai cansar, vai sentir dor… e nada disso é legal… 

Por isso, muitas pessoas desistem dos planos de emagrecer de começo de ano. Não aguentam o sofrimento e desistem. Elas são fracas? Não, somente perderam o foco no objetivo.

Se você quer evoluir, não vou mentir, vai ser doloroso, sofrido e difícil, pois como mostrei no post sobre AUTOSSABOTAGEM, seu cérebro quer te manter na zona de conforto, o que torna tudo mais pesado.

Quer ser um trader? Você vai perder dinheiro, você vai estudar e estar errado milhões de vezes, você vai se sentir um fracassado, vai pensar em desistir, vai sentir dor (tanto emocional, quanto físicas em alguns casos), você vai ser indisciplinado, vai querer ver o que não existe…

Se você aprender com todo o sofrimento, com todos os erros, você vai se tornar um trader e uma pessoa mais “forte”, sem sombra de dúvidas.

Ressignificando o sofrimento

Resultado de imagem para sofrimentoAprenda a ressignificar essas situações. Ao invés de reclamar quando levar um stop e “se conformar”, você pode começar a pensar se ali realmente era o melhor ponto para operar, no que precisa melhorar ou começar a identificar se é um erro recorrente…

 

Se não fizer as perguntas certas, não encontrará as resposta, logo não evoluirá, caindo num loop de erros.

E nesse loop as situações irão se repetir, ATÉ que ou você aprenda, evolua e passe para o próximo nivel, ou desista e vá fazer outra coisa. Esses loops continuarão a existir então é melhor ir se acostumando com eles.

Enquanto nada for feito, os mesmos erros continuarão a acontecer, as vezes até da mesma forma , por que você ainda não aprendeu o que deveria…

Equilíbrio

O importante é que se mantenha um certo equilíbrio, onde você tenha clareza para não se permitir ser dominado pela emoção do momento, seja pela felicidade (se tornando uma euforia) ou pela tristeza (se tornando uma depressão).

Por exemplo, se durante uma operação você fez um ótimo trade, que te deu um gain que nunca havia conseguido antes e você se deixa levar pela euforia do momento, você pode começar a ignorar o lado racional e cometer um erro grave na próxima operação. Além do fato de criar uma memória e querer aquele resultado novamente numa próxima operação.

Ou se você se deixar levar pelos prejuízos anteriores e ficar com medo de entrar em outras operações, mesmo com o operacional GRITANDO, você vai perder oportunidades e o pior vai ser o sentimento que ficar quando você ver que a operação teria te dado lucro.

Mantendo-se em equilíbrio, você consegue voltar ao seu estado normal, mantendo a clareza de pensamento e o foco nas operações, sem criar expectativas nem preconceitos.

Um bom jeito de começar, é dando uma olhada nesse post AQUI.

Resultado de imagem para equilíbrio

Curtiu o post? Deixa aí nos comentários!

Aproveito para recomendar a leitura do livro A sutil arte de ligar o F*da-se (Clica aqui para ver), pois ele aborda esse tema de forma mais aprofundada… Vou fazer um resumo dele aqui em breve.

Quer saber mais sobre desenvolvimento pessoal e alta performance? Se inscreva no canal Patrícia Pedrozo Coach e não se esqueça de curtir nossa página no Facebook Mente de Trader

Para quem tem curtido nossas publicações, convido vocês a conhecerem um blog irreverente e descontraído de um cara Top! Acessem lá: Blog do Magrelow Trader

Ainda não leu os outros posts?! Então Clica aí:

Por que hesitamos?!

Aprendendo a usar o Stop

Riscos e Retorno

Que tipo de trader eu sou?!

Importância das Metas

Importância das Metas pt2

 

 

 

Ser Trader: Por que hesitamos?

Fiquei com essa pergunta durante alguns dias na cabeça, e resolvi ir atrás de respostas para entender melhor o por que hesitamos durante nossas operações e até na vida.

O que é hesitação?

hesitação

Definição de Hesitação

Para entendermos melhor, precisamos definir o que é hesitação, assim fica mais fácil de identificarmos quando ocorre.

Por definição, hesitação é o ato ou efeito de ficar indeciso sobre o que se deve fazer, dizer, pensar. É um estado de indecisão, perplexidade, dúvida, embaraço.

Ou seja, hesitamos quando não temos uma decisão clara na nossa cabeça e ficamos pensando muito no que fazer, nos colocando numa posição de dúvidas e incertezas, muita das vezes desnecessárias.

O processo mental de hesitação

hesitação

O que eu faço agora?!

Nosso cérebro é um computador, capaz de processas milhares de informações por segundo, de forma instantânea. Inconscientemente, calculamos algumas possibilidades, por menos provável que sejam de ocorrer, o que nos ajuda a tomar decisões, sejam elas baseadas em históricos (o que deixa mais fácil), sejam elas por ser uma nova situação (o que demanda um pouco mais de tempo)

Quando uma situação se “repete” e nós temos um histórico, nosso cérebro faz o link entre causa e efeito sem pensar em outras possibilidades, ou seja, uma ação direta com um efeito já esperado.(o que não ocorre nas operações…)

Já quando temos uma situação nova, nossa mente precisa racionalizar outras possibilidades, reais ou não, para que nós possamos basear nossa decisão “da melhor forma possível” (o que nem sempre acontece)

Causas (possíveis) para hesitarmos

Bem, podemos eleger dois grupos de causas possíveis: Externas e Internas. Elas podem atuar de forma conjunta, o que geralmente ocorre, ou dependendo da “força”,agem isoladamente.

As causas externas podem ser atribuídas a todo fator externo a você e que te influencia: Notícias, pessoas, livros, vídeos, textos, imagens…

Por exemplo, se vemos na tv uma noticia e criamos um “viés altista” para o mercado, porém os preços começam a cair quando as negociações se iniciam, achamos que isso é ilógico, e nossa mente fica indecisa de fazer alguma operação. O que gera a seguinte frase no final do dia: “hoje o mercado estava difícil…”

Já as internas são puramente atreladas a você e o seu EU: autoconfiança, disciplina, controle emocional, racionalidade…

Nesse caso, muita das vezes ficamos paralisados por medo de errar, por não confiarmos no nosso método e estratégia (por mais que digamos que confiamos). Ou seja, na hora de iniciar uma operação, nos vem a cabeça “E se eu estiver errado?” além do medo de perder o dinheiro, o que nos causa uma dor emocional. Ninguém gosta de sofrer, e por isso, hesitamos em tomar certas decisões (abordarei esse tema em breve)

hesitação

“Não sei se compro, ou se vendo…”

Juntando tudo

Imagine a seguinte situação: Antes de começar as operações, você entrou em um site de noticias para se informar sobre o que está acontecendo ao redor do mundo, no cenário político e eventos econômicos. Anotou os horários dos eventos, leu as noticias e abriu sua plataforma de negociação.

Na sua plataforma, revisou suas marcações (caso use gráficos), olhou o cenário de uma perspectiva mais macro e se sentiu pronto para o início do pregão. Está se sentindo bem com você mesmo e confiante, sem extremos.

Quando o mercado começa a se movimentar, o seu cérebro começa a fazer os cálculos necessários, baseado no histórico de informações que você tem (fundamentos técnicos da operação, as noticias que você leu, o seu estado emocional..) te auxiliando a tomar as decisões.

Se você por um acaso tem em mente algum evento externo (uma noticia importante, por exemplo), uma certa indecisão começará a permear sua mente, tentando racionalizar aquele evento para que você esteja “preparado”, porém, na tentativa de ajudar, seu lado racional começa a pensar em várias possibilidades.

Esse acumulo de possibilidades, não permite que você tome uma decisão clara, deixando todo o “caminho” obscuro, te deixando congelado e no fim das contas, sem tomar uma decisão alguma,gerando a perda de uma oportunidade.

hesitação

“Se eu tivesse feito a operação…”

Como posso evitar a hesitação?

É possível que os casos de hesitação sejam diminuídos fazendo alguns exercícios mentais e práticos.

A primeira coisa é evitar pensar e dizer “Se eu tivesse feito…”. Quando você para de olhar para o passado, suas decisões no presente se tornam mais claras e objetivas.

Comece a simplificar as coisas, até mesmo seu operacional. Como disse antes, muitas possibilidades e muita informação, geram conflitos, o que gera hesitação.

Filtre as informações para que não se acumulem como lixo. O que for útil, guarde, inútil descarte. Simples assim.

Tenha confiança no que você está fazendo e na sua capacidade de análise, pois só assim você vai agir. (Se quiser ganhar mais confiança, leia este POST)

Quando ver a oportunidade, aja, não pense muito. É importante agir assim que encontra uma oportunidade, pois se deixar em aberto, você começa a pensar demais e perderá a operação

E por último e não menos importante, não tenha medo de errar. Se você cometer algum erro, aprenda com ele  e siga em frente. (Para te ajudar com isso, dá uma olhada nesse POST)

hesitação

Quanto mais simples for sua estratégia, menor será a margem para erro de análise

Quer saber mais sobre desenvolvimento pessoal e alta performance? Se inscreva no canal Patrícia Pedrozo Coach e não se esqueça de curtir nossa página no Facebook Mente de Trader

Para quem tem curtido nossas publicações, convido vocês a conhecerem um blog irreverente e descontraído de um cara Top! Acessem lá: Blog do Magrelow Trader

Ainda não leu os outros posts?! Então Clica aí:

Riscos e Retorno

Que tipo de trader eu sou?!

Importância das Metas

Importância das Metas pt2

O Trader e as Crenças Limitantes

Motivacional: As duas águias do Rei

Eu ouvi essa história e achei muito interessante. Particularmente, me identifiquei bastante com ela e espero que você também goste e se identifique.

As duas águias do Rei

Certa vez, um rei ganhou de presente de um fazendeiro local duas lindas águias em sinal de gratidão. Todos os dias de manhã, ele ordenava que as águias fossem soltas para poder voar livremente, e ficava as admirando da janela. Porém, das duas águias, somente uma voava livremente, fazendo seus movimentos no ar enquanto  outra voava até uma árvore próxima e simplesmente ficava ali parada.

Ao notar que esse comportamento era recorrente, chamou o responsável pelos animais do castelo e pediu a ele que resolvesse esse problema, pois como uma das águias conseguia voar e a outra não?

Após inúmeras tentativas, o responsável pelos animais retorna ao rei frustrado por não ter conseguido. O rei, então pede para que chamasse o fazendeiro que lhe deu as águias de presente.

Quando o humilde fazendeiro chega, com suas vestes simples, o rei lhe conta sobre o “problema” com uma das águias e pede para que o fazendeiro resolvesse, pois do contrário, teria que sacrificar esta águia que não queria voar…

Na manhã seguinte, uma surpresa. Ao olhar pela janela, o rei vê as duas águias voando livremente, se movimentando no ar, fazendo todo aquele balé aéreo.

O rei tomado pela felicidade, manda chamar novamente o fazendeiro e pergunta ao fazendeiro que solução mágica ou técnica complexa ele usou para fazer com que a águia começasse a voar e o fazendeiro respondeu:

– Meu rei, não havia muita coisa a se fazer a não ser cortar o galho da árvore na qual ela se apoiava. Simplesmente subi na árvore e o cortei. Enquanto a águia caia, percebeu que “tinha asas” e começou a voar novamente…

Então, o que tem te impedido de voar mais alto?!

Resultado de imagem para duas águias voando

Biblioteca do Trader: O Andar do Bêbado

Fala galera! Trazendo novamente aí a Biblioteca do Trader, com o livro O Andar do Bêbado. Para quem não conhece, o livro aborda como a aleatoriedade influencia nossas vidas e nossas tomadas de decisões, tudo a ver com o que fazemos no mercado.

Vou me comprometer a toda primeira quinta-feira do mês, trazer um resumo de um livro que eu tenha lido e que tenha me ajudado de alguma forma, direta ou indiretamente. Espero que curtam o resumo!

Resultado de imagem para o andar do bebado

O Andar do Bêbado:

Este livro me ensinou a ver as probabilidades nas mais diversas formas ao redor da minha vida. Desde tomar decisões simples, como fazer uma atividade ou não, como decisões mais complexas, que podem impactar e mudar a vida como um todo.

Como a aleatoriedade influencia nossas vidas?

Antes de mais nada, é necessário separar possibilidade de probabilidade. Possibilidade é um evento que pode ocorrer, como exemplo, hoje pode chover, ficar nublado ou fazer sol. Probabilidade é a porcentagem de chances de que um evento (possibilidade) ocorra, ou seja, temos 30% de chances de chover, 20% de chances de ficar nublado e 50% de chances de fazer sol.

De certa forma, o autor do livro mostra que a incerteza nos cerca e que não estamos completamente a mercê dela, que podemos quantificar, medir e em certos casos, saber seus impactos antes mesmo de ocorrer.

Como tudo começou…

No inicio dos estudos sobre aleatoriedade e probabilidades, atribuíam determinados resultados a vontade dos deuses (ou deus, como é hoje em dia) por desconhecerem as formas de calcular e medir estes eventos. Após o inicio dos estudos, foi constatado que existem algumas distribuições de probabilidades que mais ocorriam do que outras, fazendo com que o jogador aumentasse sua chance de ganho, independente da vontade dos deuses.

Chegaram à algumas conclusões sobre eventos independentes, ou seja, que não dependem de resultados anteriores para ocorrer, sobre eventos dependentes, onde os resultados atuais são influenciados pelo evento imediatamente anterior e sobre eventos condicionados, como por exemplo se evento A ocorrer, o evento B não ocorrerá, ou se evento A ocorrer haverá maior probabilidade de evento C acontecer.

Utilizando as Probabilidades ao nosso favor!

Com isso em mente, nós podemos enxergar a vida, através dos olhos da matemática das probabilidades e entender o que pode ou não acontecer e reagir, ou até antecipar, da melhor forma possível determinados acontecimentos. Conseguimos separar os fatos em si, das emoções, que podem nos fazer reagir certos acontecimentos de forma errada.

Um exemplo dado no livro, foi de um matemático chamado Jagger que decidiu provar o poder das probabilidades dentro de um cassino. Ele juntou uma equipe de alunos e solicitou que os alunos observassem as roletas de um cassino em Monte Carlo. Após reunir informações o sobre quais os números mais sorteados nas roletas, percebeu que havia um viés em uma delas e decidiu ir até o cassino e começou a jogar nesta especifica. No final da primeira noite, ele já acumulava algo em torno de 70 mil dólares. Isso chamou a atenção dos gerentes do cassino, pois acharam que o mesmo estava roubando, porém não conseguiram confirmar tal alegação. Ao fim do quarto dia, seu lucro já estava na casa dos 300 mil dólares. Isso causou alvoroço no cassino, fazendo com que os donos tomassem uma decisão: mudar a roleta de lugar. No quinto dia, Jagger começou a perder seu dinheiro (perdia mais que ganhava), porém notou que a roleta na qual apostava antes era diferente da atual. Ele a procurou dentro do cassino e quando a achou, começou a jogar nela novamente. Em pouco tempo, seus lucros já estavam na casa de 1 milhão de dólares. Infelizmente para Jagger, os gerentes do cassino começaram a mudar os vieses de todas as roletas de lugar, tornando mais aleatório os resultados fazendo assim com que Jagger não soubesse os resultados possíveis. No final do experimento, ele terminou com seus 325 mil dólares.

Um pouco da parte técnica (é importante saber as bases)

Uma observação importante, com o passar do tempo, foi a distribuição normal das probabilidades que podem ocorrer, alcançando assim uma média verdadeira de resultados possíveis. Assim, quando se tem uma quantidade suficiente de informações, é possível distribuí-las em um gráfico em forma de sino e saber quais os eventos que aconteceram com maior e menor frequência, assim como os eventos que ocorreram com frequência idênticas.

Outra ferramenta importante criada foi o Triângulo de Pascal, onde é possível medir de quantas maneiras diferentes os eventos podem acontecer, de acordo com as suas possibilidades. Exemplo, seu eu possuo 3 possibilidades de eventos (A,B e C), de quantas maneiras possíveis eu posso ter a sequencia ABC atendida? O triângulo lhe dá essa informação já devidamente calculada. (Acho que já vi isso sendo usado nesse POST)

Lei dos Pequenos e Grandes números

Outras coisas importantes que aprendi foram as leis dos pequenos e dos grandes números, como alguns eventos que parecem irrelevantes, podem afetar as medições e cálculos e como nós, seres humanos, tentamos enxergar padrões onde muitas das vezes não existem e tomamos decisões baseadas neles.

A lei dos pequenos e grandes números, nos diz que se tivermos uma amostra pequena de alguns eventos e quisermos medir suas probabilidades, nós estaremos obtendo um falso positivo (ou negativo) pois não teremos os dados suficientes para medir da forma correta, ou seja, quanto mais dados, mais informações e maior espaço amostral tivermos, melhor será a precisão das medições. Podemos ver isso nas previsões do tempo, movimentos do mercado financeiro, resultados empresariais e políticos por exemplo. Com isso, nós tendemos a enxergar padrões onde muita das vezes não existem, e seus resultados verdadeiros são completamente aleatórios. Um exemplo disso, são os CEOs promissores ou os gerentes de fundos de investimentos. Devido a um resultado positivo em, por exemplo, 5 anos, tendemos a achar que o no ano seguinte este mesmo CEO ou gerente, terá um resultado semelhante aos anteriores e por ele ser o “cara”, nos esquecemos que os cenários mudam com o tempo e que qualquer evento aleatório, por menor que seja, pode alterar o resultado final (efeito borboleta). Logo, vemos muitas noticias de gente promissora num ano, tendo resultados ruins no ano seguinte e com isso sendo esquecida. Obviamente, não existe uma medida de tempo o suficiente para medir a eficácia com precisão, pois levariam anos, mas temos que ter em mente que os resultados futuros não serão totalmente dependentes dos resultados passados e que devemos dar maior importância para o agora.

E tudo isso para…

Concluindo, ao terminar de ler este livro, eu consegui discernir o que é fato, matematicamente explicável, e o que é minha reação a este fato, além de como eu posso utilizar as probabilidades ao meu favor e reagir da melhor forma a coisas que não tenho controle. Nossa mente não consegue calcular todas as probabilidades de tudo o que pode nos ocorrer, isso é um fato, porém não podemos nos deixar se levar pela vida, sem tomar decisões da melhor forma possível, pois isso fará uma grande diferença, não só na sua vida, mas na de todos os que te cercam, você conhecendo-os ou não.

Links para comprar o Livro:

O Andar do Bêbado – Amazon

O Andar do Bêbado – Livraria Cultura

O Andar do Bêbado – Saraiva

E para quem não liga de comprar usado: O Andar do Bêbado – Estante Virtual

 

Ser Trader: Aprendendo a usar o Stop

Pergunta rápida: Você sabe usar o STOP de forma correta?! Será?

STOP.. para que serve, onde vivem, o que comem…

Resultado de imagem para STOP

Vamos ser diretos, TODOS que operam no mercado sabem o que é uma ordem de stop loss/gain, mesmo que não usem (aí complica né..), mas sabem para que serve.

De forma simples, tem a função de limitar suas perdas (stop loss) e marcar um alvo para suas operações (stop gain) e quando o mercado atingir os preços determinados, a ordem é executada, sem mistério.

MAAASSS, meu intuito aqui não é ser técnico, nem mostrar “qual o melhor ponto para se posicionar um stop”. longe de mim fazer isso… o que eu quero é que você pare um pouco e pense o que acontece na sua mente durante a operação, ou seja, com a ação rolando na tela.

Ressignificando o STOP

Vamos imaginar aqui uma operação aleatória (ou se preferir, pode ser uma operação que você tenha feito). Vou partir do principio que você use as ordens de stop loss/gain.

Você analisou o gráfico, viu o movimento dos preços, conferiu seus indicadores (caso use…) e decidiu abrir uma posição no mercado. O preço alcança sua ordem, executa no seu ponto de entrada e a partir daqui temos duas possibilidades:

1 – O preço alcança seu stop loss

Com o preço indo contra você, começa a preocupação de “levar aquele stop”, começa o nervosismo, a impaciência, a ansiedade e talvez até, um pouco de desespero.

E quando pega sua ordem de stop loss, vem aquele sentimento de frustração, pois você analisou o gráfico, viu tudo o que poderia ver e ainda assim, foi stopado no prejuízo

Stop

Aquele stop cheio!

2 – O preço volta e começa a ir ao seu favor

Melhor sensação do mundo, não é mesmo?! Tira um peso das costas e toda aquela pressão da operação some como mágica… melhor ainda, indo no seu alvo pré-estabelecido e te dando uma operação vencedora.

Stop

DEU GAIN!

Agora vamos analisar sua postura diante de ambos os casos:

No primeiro caso, nos sentimos mal por termos tido um prejuízo, mas realmente deveríamos? Bem, devemos entender que isso é um risco do nosso negócio. Estamos arriscando nosso capital a cada operação.

Uma dica para ressignificar essa situação é tomar duas decisões importantes: A primeira, usar o Stop loss, literalmente como uma pausa. Levante-se, vá tomar uma água, sai da frente da tela, respire e tire o foco do mercado por alguns instantes, para que você aceite aquele prejuízo. A segunda é responder, de forma sincera a pergunta: O meu ponto de entrada foi REALMENTE o melhor ponto de entrada, a partir do meu operacional?.

Quando se para para pensar nessa questão, automaticamente, você condiciona sua mente a procurar pontos diferentes da entrada que você fez, fazendo com que se enxergue outras “oportunidades” escondidas

No segundo caso, a sensação de euforia, dependendo do tamanho ganho, pode (VAI!) impactar sua próxima decisão, fazendo com que você não consiga entrar no melhor ponto possível, pois o sentimento de “eu estou certo” está afetando seu julgamento. Aqui vale a primeira dica do stop loss, faça uma pausa.

Uma outra coisa que pode acontecer é o preço continuar o movimento, indo bem além do seu ganho, e você ficar se sentindo mal por não ter “pego mais”.

Esse sentimento vai totalmente contra a disciplina, pois se você já definiu seu alvo, é ali que você sai da operação, INDEPENDENTE do que aconteça. Ao entrar em uma operação, você deve saber o quanto está disposto a perder e o que quer ganhar…

E a galera que não usa STOP ou fica movendo o STOP LOSS?

Só uma coisa:

Imagem relacionada

Quer saber mais sobre desenvolvimento pessoal e alta performance? Se inscreva no canal Patrícia Pedrozo Coach e não se esqueça de curtir nossa página no Facebook Mente de Trader

Para quem tem curtido nossas publicações, convido vocês a conhecerem um blog irreverente e descontraído de um cara Top! Acessem lá: Blog do Magrelow Trader

Ainda não leu os outros posts?! Então Clica aí:

Riscos e Retorno

Que tipo de trader eu sou?!

Importância das Metas

Importância das Metas pt2

O Trader e as Crenças Limitantes

Ser Trader: Riscos e Retornos

Se você estava achando que esse post ia falar das relações Risco x Retorno das operações?

Resultado de imagem para achou errado gif

O Rogerinho sempre tem razão!

O Último pregão do mês

O último dia de cada mês, para nós traders, acaba se tornando sempre um “31 de dezembro”, onde avaliamos o que aconteceu de bom e ruim conosco nas ultimas semanas, revemos nossas operações passadas e fazemos planos para o mês seguinte.

Essa autoanálise é muito importante, pois a partir dela conseguimos avaliar se estamos ou não evoluindo na direção correta e a partir disso tomamos medidas para corrigir os erros.

Como já dito antes, mantendo um diário de operações, é possível revisitar as operações e rever o que estava acontecendo naquele momento, e dependendo do nível de detalhes do diário, até saber o que estava sentindo no momento da operação.

Resultado de imagem para trader bolsa de valores

Fim de expediente galera! até mês que vem!

Fechando um mês bom

Quando definimos um objetivo e o alcançamos, nós temos uma sensação maravilhosa de poder, de realização pessoal e de conquista, além de aumentar nossa confiança em nós mesmos e no que estamos fazendo.

Esse sentimento nos faz querer permanecer mais ainda no mercado, buscando mais aprendizado, mais experiência. É uma das melhores coisas do mundo.

Mas, como sempre, é necessário ficar de olho nos excessos, pois se permitir que a confiança atinja um nível muito elevado, seu emocional toma conta e você acaba tomando decisões ruins para o mês seguinte.

Um mês bom, não se define por fechar ou não positivo e sim, no quanto você evoluiu naquele período, no quanto você aprendeu e melhorou. Então, mesmo que seu resultado financeiro tenha sido negativo, você pode ter tido um ótimo mês pelo aprendizado que teve

Resultado de imagem para evolução pessoal

O que você faz quando fecha um mês positivo?

Uma coisa muito importante a se fazer, para prolongar esse sentimento de poder, de conquista e de confiança em você mesmo, é dar um significado para seu resultado, independente de ser financeiramente alto ou não.

Algo útil a se fazer é criar uma âncora emocional, para que quando necessário, você possa voltar a sentir essa confiança caso haja algum “dia ruim”. Tendo essa âncora, fica muito mais fácil lidar com o mercado e os dias de loss, ou os dias que não estamos nos sentindo bem com nós mesmos.( aquele sentimento de “Cara, sou um merda…”)

Então, o que você faz quando tem um mês positivo? É importante “realizar esse lucro” para que seu cérebro entenda que o risco que você corre todos os dias resulta em uma recompensa no final, validando o mérito e o esforço feito durante o mês inteiro.

Você pode sair com sua namorada(o), seus filhos, tomar uma cerveja, comprar algo para você… não importa. O importante é que você se pague de alguma maneira por tudo o que você passou durante o mês. Não é necessário gastar todo o ganho, mas pegar e usar parte dele, para seu proveito.

Resultado de imagem para russo dançando gif

Dimitri fechando o mês positivo!

Mas e se meu mês foi negativo?!

Como disse no início do post, é muito importante fazer uma autoanálise de como foi seu mês. Você pode ter fechado negativo, porém durante esse período, você evoluiu, aprendeu algo novo, se reinventou, definiu uma meta nova, melhor que anterior…

É preciso ter consciência do que foi feito durante o mês. Não adianta querer culpar o mercado, o operacional, os players… Quando você se torna consciente do que está acontecendo, assumindo a responsabilidade pelo seu resultado, você começa a se mover para melhorá-lo de forma imediata.

E para isso que este blog existe! Para te ajudar a melhorar!

Conta aí nos comentários, como foi seu mês e o que você faz para “comemorar” sua vitória?! É sempre importante comemorar nossas conquistas, por menor que sejam, pois isso faz um bem danado.

Quer saber mais sobre desenvolvimento pessoal e alta performance? Se inscreva no canal Patrícia Pedrozo Coach e não se esqueça de curtir nossa página no Facebook Mente de Trader

Para quem tem curtido nossas publicações, convido vocês a conhecerem um blog irreverente e descontraído de um cara Top! Acessem lá: Blog do Magrelow Trader

Ainda não leu os outros posts?! Então Clica aí:

Que tipo de trader eu sou?!

Importância das Metas

Importância das Metas pt2

O Trader e as Crenças Limitantes

 

Ser Trader: Que tipo de Trader eu sou?!

Estava eu refletindo sobre algumas coisas, e me deparei com uma ideia que achei interessante. Comecei a me questionar: Que tipo de trader eu sou?! Antes que pense, não estou falando em Swing Trader, Day Trader ou Scalpler Trader…

Do que você está falando cara?!

Me aprofundando mais um pouco no que eu estava pensando,e tendo como base alguns conceitos sobre excessos de passado, presente e futuro, cheguei a uma ideia de que existem, de uma forma  básica 3 tipos de Traders: Traders de Ontem, Traders de Hoje e Tradrers de Amanhã.

Traders de Ontem

Trader de Ontem

“No meu tempo, era mais fácil de operar, antes desses robôs!”

Se formos separar, o Trader de Ontem é aquele tipo de trader que fica “preso” ao passado, olhando as operações sempre em retrospectiva, ou seja, depois que ela passou. Fica preso ao pensamento de “se eu tivesse feito isso naquele momento…hoje estaria melhor”.

Esse tipo de trader, se apega ao resultados passados querendo repetir os mesmos feitos no futuro e se frustra com facilidade quando não consegue.

São pessoas do tipo “nasci assim, fui sempre assim, vou morrer assim…” que simplesmente pararam de evoluir, de aprender, por que ficaram parados no tempo. Cometem o mesmo erro sempre e não tiram lições valiosas deles.

Traders de Amanhã

Trader de Amanhã

“Olha esse indicador novo, se eu usar coma técnica nova que aprendi ontem, vou ficar rico amanhã… Eita, outra novidade aqui…”

Esses caras são completamente o oposto dos traders de Ontem. Esses aqui estão sempre a frente. Isso é uma coisa boa? Acho que não muito.

Geralmente são pessoas ansiosas e que gostam de deixar as coisas importantes para depois. Estão sempre com a cabeça no depois.

Gostam de fazer entradas atrasadas ou antecipadas, por que a cabeça está sempre pensando no “e se…”. Cometem erros por conta disso,  e por mais que os anotem, sempre deixam para aprender depois. Juram que não vão fazer de novo, e não demora muito para a ansiedade tomar conta e fazer besteira. De novo…

Um traço curioso, é o fato de procrastinar as coisas, seja o aprendizado com o mercado fechado, seja uma operação enquanto o mercado ta rolando. Deixam as coisas para depois e perdem as oportunidades.

Traders de Hoje

trader de Hoje

“O que o mercado tem para mim HOJE?!”

Dos três, considero o melhor tipo de trader. Esse cara, não está preocupado com o ontem nem com o amanhã. Estará focado em fazer o melhor Hoje.

Não importa se ontem ele levou um loss para casa, hoje ele vai dar o melhor para sair com o gain. Vai se manter focado e disciplinado para atingir sua meta e ponto. Não vai deixar que a ansiedade do que pode acontecer amanhã nem o que aconteceu ontem o afete.

Que tipo de Trader eu sou?!

Leva um tempo para poder chegar ao “estado de Trader de Hoje”, pois não é fácil se manter concentrado e focado, evitando pensar no que aconteceu ontem e no que pode acontecer amanha, afinal, o que fazemos não possui garantias.

Para descobrir que “tipo” de trader você é, basta se monitorar, desde seu comportamento até seus pensamentos, e o seu racional vai te dar a resposta. O primeiro passo de qualquer mudança é ter consciência do que está errado. Se ainda não sabe como chegar nesse nível, dá uma lida nesse POST.

Nossa mente gosta de nos pregar peças e nos manter na zona de conforto, como falei no post sobre autossabotagem, e uma coisa que ela gosta muito é de nos colocar em loop, ou seja, pensando e repensando as coisas, como se não houvesse fome na África.

Ao entrarmos nesse tipo de pensamento, nós vamos ao limite, e com isso temos que ter cuidado. Para ser mais claro segue uma máxima: Excesso de passado, causa Depressão. Excesso de Futuro causa Ansiedade. Excesso de Presente causa Estresse.

Resultado de imagem para excesso de passado excesso de presente excesso de futuro

E aí, curtiu o post?! deixa aí nos comentários que tipo de Trader você é hoje e o que tem feito para melhorar?!

Quer saber mais sobre desenvolvimento pessoal e alta performance? Se inscreva no canal Patrícia Pedrozo Coach e não se esqueça de curtir nossa página no Facebook Mente de Trader

Para quem tem curtido nossas publicações, convido vocês a conhecerem um blog irreverente e descontraído com temas variados! Acessem lá: Blog do Magrelow Trader

Ainda não leu os outros posts?! Então Clica aí:

Importância das Metas

Importância das Metas pt2

O Trader e as Crenças Limitantes

 

Ser Trader: Importância das Metas pt.2

Resultado de imagem para metas

Galera, no post de hoje, quero me “aprofundar” mais no que eu abordei no  post anterior e tentar explicar melhor sobre a importância das metas.

Revendo o passado

No post anterior, abordei alguns tópicos para ajudar a elaborar uma meta, uma dica para começar pequeno e que a consistência vem quando vamos alcançando essas metas que traçamos, por menor que sejam.

Pois bem, nessa ultima semana eu passei revendo toda a minha trajetória como Trader, e o quanto eu evoluí (acho que ficou evidente isso nesse POST). Percebi que por mais disciplinado eu fosse, eu não tinha um objetivo no mercado. Na minha cabeça, eu queria fazer o máximo de pontos possível em um dia, mas isso me dispersava muito, e me frustrava por que eu não tinha noção do que era esse “muito”

Quando eu resolvi analisar meu histórico de operações, eu vi o quanto eu estava sendo incoerente comigo mesmo  e me fiz uma pergunta que mudou minha visão das operações:

Com que frequência você faz uma quantidade X de pontos por dia? (vou usar o exemplo da marcação do mini índice por ser o ativo que tenho operado, mas serve para qualquer ativo e para qualquer tempo)

Usando a lógica e a Estatística

Resultado de imagem para cara pensando meme

Com essa simples pergunta, você pode rever todo o seu histórico e encontrar umas coisas escondidas bem interessantes.

Utilizando a dica do “comece pequeno” do último post, pegue uma folha de papel ou Word (para ser ecologicamente correto rs), abra seu diário de Trades (espero que tenha um…) e faça a mesma pergunta de cima: Com que frequência eu faço, a titulo de exemplo, 300 pontos por dia? Busque a resposta no seu diário de trade e anote a quantidade de vezes em que conseguiu.

Repita o processo, utilizando valores menores do que o inicial, por exemplo: 200, 100, 50…

Ao final, você já vai ter uma base de dados informando a você qual a quantidade de pontos que você consegue com mais “facilidade”. Pela lógica, quanto menor for a quantidade de pontos, mais facil é de conseguir, correto? Então por exemplo, se você consegue manter uma média de 200 pontos por dia você pode tê-la como meta diária.

Traçando essa meta,alinhada com seu gerenciamento de risco, ao conseguir pegar essa quantidade de pontos no dia, você fecha a plataforma e vai fazer outra coisa. Vai ler outras postagens daqui do Blog, ler um livro, ver séries… aproveitar a liberdade da vida de trader

Pensando em cenários…

Estipulado uma Meta para o dia, é necessário também saber quantas operações seu gerenciamento de risco permite fazer.

Vou usar o exemplo de duas operações em um dia, cada uma com um alvo de 200 pontos e um stop de 150 pontos.

Os cenários possíveis para essas duas operações são:

Operação 1 operação 2
Ganha Ganha
Ganha Perde
Perde Ganha
Perde Perde

Analisando os possíveis cenários, temos uma probabilidade de 25% de fazer 400 pontos no dia, 50% de fechar o dia com 50 pontos e 25% de chances de fechar com 300 pontos de prejuízo.

Ou seja, na média das operações diárias do mês, você fechará positivo em 50 pontos. Nos “piores dias” um prejuízo de 300 pontos sendo compensado pelos ganhos dos “melhores dias”  de 400 pontos.

Você pode expandir essa lógica para a semana, contando pelos cenários dos dias, mas a tabela fica um pouco grande para eu postar aqui no blog…

Já tinham parados para analisar suas operações desse jeito?!

Resultado de imagem para nazaré gif matemática

AHHHH mais pegar 200 pts por dia é mole… eu quero mais…

É fácil sim… difícil mesmo é manter a disciplina e a consistência. Difícil é manter a cabeça no lugar quando está fechando meses seguidos no negativo, um mês pior que o outro, pensando no que poderia ter feito, ou ter pego “aqueles” vários 100 pontos que deixou passar.

Nessa hora esquece de fazer uma conta básica de soma, e ver que se você for de pouco em pouco, respeitando o gerenciamento de risco e controlando o psicológico, você  fechará seu mês positivo com mais frequência, te dando mais confiança e te habilitando  aumentar sua quantidade de contratos. Fácil achar que fazer 150 pontos com 1 contrato é pouco dinheiro, mas esquece que é o mesmo gráfico (ou fluxo) para quem está operando com 10, 100 ou 1000.

Uma coisa que levei tempo para aprender foi que primeiro temos que aprender a sobreviver no mercado, para depois começarmos a fazer dinheiro.

Temos muitos traders que postam boletas exorbitantes e que nos impressionam, mas esquecemos que essas pessoas começaram pequeno. Em qualquer trabalho, você não vai começar de cima, independente do cargo. Primeiro se aprende o trabalho, para depois se desenvolver e começar a ser promovido.

Quando você mantém o respeito, a disciplina e a consistência para pegar poucos pontos, sem pressa, você também terá a disciplina, o respeito e a consistência para pegar mais pontos.

É muito mais fácil, aumentar a quantidade de contratos que você opera, do que aumentar a quantidade de pontos. Pensa nisso!

Para quem tem curtido nossas publicações, convido vocês a conhecerem um blog irreverente e descontraído com temas variados! Acessem lá: Blog do Magrelow Trader

Ainda não leu os outros posts?! Então Clica aí:

Trader e as Crenças Limitantes

Parando com a Procrastinação

O poder da Autossabotagem